Ação de formação para pais/encarregados de educação dos 1.º e 2.º ciclos.

O AESCT irá dinamizar uma vez mais o Projeto Academia Digital para Pais que tem como objetivo capacitar pais/encarregados de educação na área digital. 

No presente ano, vamos avançar com o curso de 8 horas – Consumidor Digital. 

A ação de formação vai ocorrer ao sábado (dias 4 e 11 de março), das 9h às 13h. 

À semelhança dos cursos anteriores iremos ter um pequeno lanche partilhado. 

A ação será dinamizada por dois alunos do 9.º ano e acompanhada pelo educador social. 

A ação é gratuita e tem um limite de 15 vagas.

Não perca esta oportunidade e junte-se a nós.

Para se inscrever basta enviar um email para: dariogomes@aesct.pt

Contamos com a sua presença. 

Dia Escolar da Não Violência e Cultura da Paz

No âmbito das atividades do clube ubuntu, durante o mês de janeiro, os alunos preparam a ação de sensibilização para a comemoração do dia Escolar da Não Violência e Cultura da Paz que se assinala, anualmente, no dia 30 de janeiro e tem como objetivo alertar para a necessidade de uma educação permanente pela Paz e pela Não Violência, procurando-se igualmente sensibilizar para a tolerância, solidariedade, justiça e respeito pelos direitos humanos junto dos estabelecimentos escolares.

Paralelamente, a este trabalho, os alunos do clube estiveram a preparar uma ação de sensibilização para alertar os colegas para a importância de terem comportamentos cívicos na sala de convívio, apelando a uma maior consciência de manutenção e limpeza do espaço. Estando, ainda, a fazer um levantamento das eventuais atividades e materiais que os alunos pretendem para o seu espaço de convívio.  Deste modo, o clube ubuntu pretende renovar o espaço e criar uma dinâmica de participação e coresponsabilidade num espaço que é de todos. 

Ação de sensibilização sobre Bullying

No dia 30 de janeiro, os agentes da Guarda Nacional Republicana realizaram uma ação de sensibilização sobre o tema “Bullying”, para os alunos do 6.º ano da escola.

Esta ação teve como objetivos:

– Promover uma cultura de segurança nas escolas;
– Fomentar o civismo e a cidadania, contribuindo para a afirmação da comunidade escolar enquanto espaço privilegiado de integração e socialização;
– Diagnosticar e prevenir problemas de segurança nas escolas;
– Determinar, prevenir e erradicar a ocorrência de comportamentos de risco e/ou de ilícitos nas escolas e nas áreas envolventes.

Evocação do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

No âmbito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, o nosso agrupamento levou a cabo um conjunto de atividades com o objetivo de sensibilizar toda a comunidade educativa para esta evocação que pretende combater o antissemitismo, o racismo e quaisquer outras formas de intolerância que podem levar à violência em grupo. Assim, no dia 16 de janeiro de 2023, os alunos começaram por participar numa oficina de apresentação e contextualização do tema, orientada pela companhia de teatro “Os mochos do telhado”, a fim de os preparar para a peça Kamarád, dinamizada pela referida companhia no dia 24 do mesmo mês. A revista Kamarád foi criada por crianças e jovens prisioneiros no campo de concentração de Theresienstadt, na República Checa, durante a segunda guerra mundial e contou com 22 edições. Neste campo, a arte distraía a fome e alimentava a imaginação de um futuro diferente.

A 27 de janeiro, procedeu-se à montagem, no átrio da escola, da exposição de imagens dos judeus nos campos de concentração e, ao mesmo tempo, a exposição de livros e filmes alusivos ao tema, na biblioteca. Seguidamente, toda a comunidade escolar presenciou uma simulação de extermínio judeu, num dos campos de concentração. Foram, ainda, abordadas obras de autores como Primo Levi nas aulas de Físico-química, nomeadamente “ O Sistema periódico”. A este respeito, os alunos do 9.º ano lerão um capítulo que será debatido em tertúlia dialógica, nas disciplinas de Físico química, Expressão e Comunicação e Sonhar a Escola. Por fim, os alunos do 9.º ano visualizaram, no auditório, o filme “A rapariga que roubava livros”, que aborda o sentimento de altruísmo num período tão negro da história. Após a visualização do filme, os alunos procederam à construção de um padlet com reflexões individuais. Ao longo do dia, na página da escola, foram publicados vídeos de homenagem às vítimas do holocausto, realizados pelos alunos do 8.º ano.

A professora bibliotecária aproveitou a hora do conto para envolver os alunos do 4.ºD na lembrança do Holocausto dando-lhes a conhecer um herói português com a leitura da história “Aristides, o semeador de estrelas”.

Estas atividades constam do plano anual de atividades da escola e mereceram a participação de várias áreas disciplinares, a saber, Educação Visual, Clube de Artes, Cidadania e Desenvolvimento, Geografia, Físico-Química e História. A biblioteca escolar desempenhou um papel ativo em todas as atividades desenvolvidas.

Durante todo o processo os alunos demonstraram um espírito de abertura e compreensão do holocausto, revelando serenidade e solidariedade para com as vítimas. Nas palavras de um aluno: “o holocausto transmite uma mensagem de grande importância para nós, isto porque temos de ter espírito crítico e não acreditar em ideologias macabras de xenofobia e racismo que alguns líderes mundiais querem que acreditemos e sejamos, também, responsáveis por esses atos”.

Homenagem às Vítimas do Holocausto

O dia 27 de janeiro foi a data escolhida, pela Assembleia Geral das Nações Unidas, para a comemoração do aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, no ano de 1945.

O Holocausto foi a ação de extermínio em massa de cerca de seis milhões de  judeus (entre outras ideologias)  que ocorreu durante a  2.ª Guerra Mundial. Através de um plano macabro e atentatório dos Direitos Humanos, Adolf Hitler foi responsável pela morte de mais de um milhão de crianças, dois milhões de mulheres e três milhões de homens.

As pessoas que tiveram o infortúnio de serem aprisionadas nos campos de concentração são uma inspiração para todos e deixam uma mensagem explícita de esperança. Por exemplo, foram vários os pintores que durante o tempo que viveram nos campos de concentração pintaram quadros e enquanto uns pintavam o que viam (tristeza, horror e violência), outros pintavam paisagens felizes, isto porque tinham a esperança de voltarem para as suas casas e famílias e, dessa forma, serem felizes.

No entanto, na minha opinião, o maior exemplo de esperança foram as crianças, principalmente as que escreveram na revista Kamarád (criada no campo de concentração de Theresienstadt, na República Checa, durante a 2ª Guerra Mundial), pois nunca desistiram, apesar de todas as dificuldades que enfrentaram. Todas as sextas-feiras publicaram uma nova revista. A meu ver, faziam-no para estarem ocupadas, mas também para não desistirem da própria vida.

Também acho que o holocausto transmite uma mensagem de grande importância para nós, isto porque temos de ter espírito crítico e não acreditar em ideologias macabras de xenofobia e racismo que alguns líderes mundiais querem que acreditemos e sejamos, também responsáveis por esses atos. Se tivessem existido mais pessoas com esse espírito crítico e altruísta provavelmente a situação não teria chegado ao ponto a que chegou – holocausto.

Hoje é “um dia de lembrança e uma oportunidade para renovar a nossa determinação”, como afirmou o Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, todos nós devemos desenvolver ações educacionais para incutir a memória da tragédia nas gerações futuras. Recordar os crimes do passado pode ajudar a impedi-los no futuro.

Fica aqui o nosso agradecimento, a todos os nossos professores, mas de forma especial às professoras Ana Paulo, Ana Cruz e Celeste Morgado que nos fizerem recordar, vivenciar e refletir sobre o que se passou durante a 2.ª guerra mundial, nos campos de concentração nazis, ao comando do tirano Adolf Hitler.

Para terminar, nada melhor que as palavras citadas do Ban Ki-Moon: “Temos o dever de relembrar o passado, mas também de pensar naqueles que agora precisam de nós. Neste dia de memória do Holocausto, peço a todos que denunciem as ideologias políticas e religiosas de ódio. Temos de nos manifestar contra o antissemitismo e os ataques contra grupos religiosos, étnicos ou outros. Vamos criar um mundo onde a dignidade é respeitada, a diversidade é celebrada e paz é permanente”. E com os vídeos realizados pelos alunos do 8.º ano, na disciplina de educação visual, com o tema “holocausto – uma homenagem às vítimas”.

Diogo Bastos do 9.ºB

1.ª concentração de Boccia da CLDE-Viseu

Realizou-se no dia 26 de janeiro, a 1.ª concentração de Boccia da CLDE-Viseu, no Agrupamento de Escolas de Oliveira de Frades.

Esta competição que envolveu cerca de meia centena de alunos de várias escolas do distrito de Viseu contou com a participação da nossa escola, que esteve representada pelos alunos: Rafael Pinto (9.ºA), Lara Almeida (9.ºA), João Pedro Costa (8.ºB), Miguel Gouveia (6.ºA) e Gabriel Miranda (5.º A).
De enaltecer o comportamento exemplar e o empenho extraordinário destes alunos durante toda a competição, dignificando o AE de Santa Cruz da Trapa e que lhes permitiu obter o 1.º lugar na competição individual (Rafael Pinto 9.ºA) e o 1.º lugar na competição coletiva.

Parabéns a todos!!